Saiba como tirar o máximo de sua TV 3D

Sarah Jacobsson Purewal
17-12-2010
PC WORLD/EUA

Você trabalhou o ano inteiro, economizou tudo o que podia e finalmente comprou a desejada TV 3D (acompanhada de óculos extras e um player Blu-ray 3D). Parabéns! Agora é hora de exibir seu novo brinquedo. As dicas a seguir irão guiá-lo durante todo o processo, desde como arrumar a sala, até a escolha do que assistir, para que você possa tirar o máximo proveito do seu aparelho.

Arrumando a sala

Segundo fabricantes como a Samsung, televisores 3D não são indicados para pessoas muito jovens, muito idosas, mulheres grávidas e pessoas embriagadas ou muito cansadas. Mas é possível minimizar o risco de ataques epilépticos (em pessoas predispostas) ou náusea ao arrumar a sala com o "feng shui do 3D" em mente.

Diminua as luzes

A TV é a protagonista, então é preciso posicioná-la com cuidado. Qualquer excesso de luz vai prejudicar a experiência e potencialmente deixar as pessoas enjoadas. Olhar com os óculos em uma sala com luz ambiente, por exemplo, pode fazer com que a imagem fique "piscando". O efeito é ainda mais perceptível se o usuário olhar diretamente para uma fonte de luz brilhante (como a tela de um celular ou um LED piscando), e movimentos rápidos podem causar enjôo em certos espectadores. Logo, certifique-se de colocar a televisão longe de quaisquer janelas (especialmente contra a luz), outras telas (como computadores) e qualquer aparelho eletrônico com luzes LED. 

Não posicione sua TV 3D contra uma janela ou perto de luzes brilhantes

Além disso, prefira uma TV que não tenha um logo iluminado ou uma barra de luz na base. Se tiver, certifique-se de que isso pode ser desligado. Se a televisão estiver conectada a aparelhos de TV a cabo ou players multimídia com luzes piscantes, coloque esses aparelhos em um móvel com portas que possam ser fechadas. Isso pode parecer um pouco excessivo, mas lembre-se que o modo de exibição ideal (em um cinema, por exemplo) é com pouca luz. 

Posicione os móveis

Uma vez que sua TV está bem localizada e todos os aparelhos eletrônicos estão devidamente fora de vista, está na hora de arrumar os móveis. O ideal é que no máximo quatro pessoas assistam por vez – por uma razão de espaço, já que quatro indivíduos sentados lado a lado representam o campo de visão máximo da tela. Quanto maior o ângulo de visão do espectador em relação ao centro da tela, menos profundidade a imagem terá, e a partir de um ângulo de 45 graus ela fica completamente plana. 

É importante posicionar a mobília tendo isso em mente. Caso haja mais de quatro convidados assistindo à televisão de uma única vez, a alternativa é fazer com que as pessoas sentem umas atrás das outras. A situação perfeita seria com assentos no padrão de cinema, com alturas gradativas. Contudo, caso você não tenha dinheiro suficiente para transformar sua sala em um minicinema uma boa estratégia é colocar colchões ou almofadas no chão, seguidas do sofá, banquinhos ou cadeiras. 

Vale lembrar que se estiverem assistindo a cenas com muito movimento como esportes ou filmes de ação, alguns espectadores sentados em determinadas posições podem se sentir enjoados. Uma maneira de diminuir esses efeitos é sentando mais longe do aparelho – quanto maior o ângulo em relação ao centro da tela, mais distante deve estar o usuário. 

Não se esqueça dos óculos

Para assistir a programas em 3D, é preciso um par de óculos 3D. Eles são conhecidos como “shutters”, pois eles piscam para sincronizar o que o espectador vê com a imagem exibida na televisão. Em outras palavras, cada lente escurece alternadamente um olho em movimentos muito rápidos. Enquanto isso acontece, a televisão exibe perspectivas diferentes para cada olho na mesma frequência, então o olho esquerdo enxerga uma perspectiva enquanto a lente do olho direito está escura, e vice-versa. 

Óculos 3D, como estes, são essenciais. E cada fabricante tem seus próprios modelos

Agora que você sabe o que compra, logo de cara é fácil de perceber que esse óculos não são baratos. A maioria dos pares custa algo em torno de 250 reais. Se você tiver crianças (ou um rosto pequeno), há modelos com tamanho especial; são menores e um pouco mais caros, porém vêm em cores divertidas. Se o usuário tem problemas de visão e já usa óculos, a única alternativa é trocá-los por lentes de contato, já que não há modelos específicos para esses casos, apesar dos pares oferecidos pela Panasonic terem um design diferenciado e serem muito confortáveis. 

A maioria dos óculos 3d está presa a seu próprio televisor. Isso significa que os pares da Samsung funcionam somente com aparelhos da Samsung, os óculos da Sony apenas em televisores da Sony, e assim por diante. Isso é um infortúnio, pois significa que se seus amigos possuem um modelo de televisão diferente do seu, eles não podem trazer seus respectivos óculos para assistir programas em 3D na sua casa – é preciso utilizar os acessórios proprietários. 

Testamos um par de óculos Sony em uma televisão da Samsung e o resultado na verdade foi um efeito tridimensional passável. O problema, entretanto, é que os óculos da Sony requerem um transmissor 3D da fabricante, e não é possível plugá-lo a uma televisão da Samsung.  Os fabricantes naturalmente possuem interesses comerciais em manter essa incompatibilidade. A Samsung diz que seus aparelhos são pré-calibrados para acomodar os óculos da marca, e que podem requerer calibragem significativa para óculos de outros fabricantes. Algo que normalmente não pode ser feito pelo usuário.

Economize na hora de comprar os óculos

Com um preço médio 250 reais o par, o valor gasto com óculos pode ser significativo se você tiver uma família grande. Por isso, alguns fabricantes já incluem alguns pares (geralmente um ou dois) com seus produtos. Ainda assim, a não ser que você more sozinho ou não tenha filhos, vai precisar de pares extras.

Vários fabricantes oferecem kits "starter”, que geralmente incluem dois pares de óculos, um transmissor (caso esse não seja integrado à TV), e um ou dois filmes Blu-ray em 3D. Os preços e títulos variam de acordo com o fabricante, mas os kits geralmente são um bom negócio. Um kit com dois óculos 3D da Samsung mais o filme Monstros vs. Alienígenas em Blu-ray 3D, por exemplo, pode ser encontrado em várias lojas online no Brasil por R$ 386. Individualmente, cada óculos custa R$ 230. Junte o filme (só disponível em Blu-ray "2D") e o pacote sairia por R$ 550. Ou seja, o kit representa uma economia de R$ 164 reais.

Kits como este da Sony, com dois pares de óculos, filme e jogo, são uma forma de economizar

Se todo esse investimento em óculos parece alto demais para acessórios que não poderão ser utilizados em televisores de outras marcas, não tenha medo: a Xpand já comercializa nos EUA os primeiros óculos 3D “universais”, batizados de Xpand Universal X103 3D. Eles são vendidos a 129 dólares na Amazon e funcionam com televisores da Mitsubishi, Philips, Samsung, Sharp, Sony e Toshiba. 

Calibre sua televisão

Os espectadores geralmente não fazem ideia de que calibrar a televisão pode fazer uma diferença enorme na qualidade da imagem. É verdade que alguns aparelhos já vêm pré-calibrados - os fabricantes, entretanto, fazem esses ajustes sob condições “ideais” ou “de cinema”. Em outras palavras, eles supõem que o usuário irá assistir TV em escuridão total.  É sabido que a melhor maneira de assistir uma TV 3D é no escuro, então isso deixa o processo mais fácil.

Começando do zero

Há três passos importantes que os usuários devem seguir em suas TVs - seja para calibrá-las totalmente ou não. Em primeiro lugar, sempre use o modo “home”, e não “store display” (utilizado para demonstração em lojas) pois esse último é brilhante demais. 

O próximo passo é, ao invés de deixar a imagem no modo “padrão”, troque para “Cinema”, “THX” ou “Theater”. Isso irá proporcionar cores mais vivas e reais, mesmo se o usuário não fizer mais ajustes mais tarde. Esses modos podem parecer escuros para a maioria das pessoas, contudo o usuário acaba se acostumando em algumas semanas. Entretanto, não seja tentado a colocar nos modos “Esportes” ou “Vivid” (ambos são brilhantes demais), porque as nuances das cores serão perdidas. 

Por fim, sempre desligue quaisquer sensores de luz ambiente ou configurações que aumentam ou diminuem as luzes traseiras da televisão de acordo com a luminosidade do ambiente (sistema batizado pela Philips de Ambilight). Caso essa opção esteja ativada, fazer a calibragem da televisão será impossível.

O processo de calibração

A maneira mais fácil de calibrar sua TV em casa é comprar um disco próprio para isso, como o Digital Video Essentials: HD Basics. Um disco de calibragem possui padrões de teste essenciais para configurar corretamente o aparelho, assim como filtros para calibração de cor, e vai informando o usuário através de todo o processo. 

Pela razão de estar calibrando uma HDTV 3D – e não somente uma televisão em alta definição – é preciso utilizar os óculos especiais durante o processo. Se os óculos não ligarem pelo fato do disco de calibragem não exibir o conteúdo em 3D (muitos acessórios trazem essa configuração com o objetivo de economizar bateria), selecione o modo “forçar 3D” da televisão, que transforma o conteúdo 2D em 3D. 

A principal razão pela qual o usuário deve usar os óculos ao calibrar o aparelho é porque os óculos tendem a deixar a imagem um pouco escura (afinal, as lentes estão alternadamente bloqueado a luz) e em alguns casos é preciso aumentar o brilho e o contraste na TV. 

Configurações específicas para 3D

Grande parte das televisões 3D possuem menus específicos que oferecem de duas a 20 opções. Algumas configurações mais comuns incluem e o nível de profundidade da imagem (de praticamente plano até telescópico), qual o modo 3D (ou “forçar o 3D”, transformando imagens 2D em 3D) e vários modos de imagens (incluindo separação da tela). Consulte o manual da TV e explore todas as opções até encontrar o que lhe agrada.

O que assistir

Agora que a sala está devidamente arrumada e a TV perfeitamente ajustada (na melhor situação possível), basta pegar um refrigerante, pipoca e sentar no sofá para assistir... o quê?

Como pudemos notar, um dos maiores problemas é que falta conteúdo para a TV 3D. Mas não se preocupe, essa situação deve mudar em breve, principalmente com a chegada do fim do ano, que promete novos lançamentos em 3D. Até lá, estamos presos ao que o mercado oferece atualmente. 

Discos Blu-ray em 3D

Não espere assistir em 3D aquele sucessos que acabaram de sair no cinema – muitos deles inicialmente não estarão disponíveis em 3D, ou farão parte de um daqueles “kits starter” dos quais falamos anteriormente. Atualmente é possível encontrar três categorias de Blu-ray em 3D disponíveis: filmes infantis, documentários ao estilo National Geographic e títulos mais “populares”.  É muito importante verificar os discos antes de comprá-los, pois alguns títulos oferecem o 3D verde-vermelho, que funciona com aqueles óculos de celofane e papel. Logo, preste atenção às especificações do produto e veja se ele indica a necessidade de utilizar óculos 3D “active-shutter”. 

"Tá chovendo hambúrguer" é um dos filmes em Blu-ray 3D disponíveis no Brasil

Os filmes infantis disponíveis são “Tá chovendo hambúrguer”,  “O Último Mestre do Ar”, “O Bicho vai pegar” e “Expresso Polar”. Alguns filmes para a família também deve chegar nos próximos meses, incluindo “Coraline”, “Despicable Me” e “A Lenda dos Guardiões” e “Dinossaurs Alive!”. 

Por fim há alguns títulos digamos... mais populares como “Fúria de Titãs”, “Step Up 3D" (disponível nos Estados Unidos em 21 de dezembro) e Resident Evil: Afterlife (28 de dezembro) que podem animar os espectadores. 

Hora do show!

Depois de toda essa mão de obra com compras, organização de toda sala de estar, a difícil aquisição de filmes em 3D e calibragem do aparelho enquanto o usuário utiliza os óculos, está na hora de sentar no sofá e aproveitar o espetáculo em 3D com todos os amigos  - se houverem óculos suficientes. Bom filme!