Novo álbum de Lady Gaga aposta na dance bombástica e sem sutilezas

Fonte:http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/musica/2011/05/18/275637-novo-album-de-lady-gaga-aposta-na-dance-bombastica-e-sem-sutilezas

Tudo bem que uma nota sobre Lady Gaga raramente fala sobre a música em si, mas aqui estava uma popstar com características muito interessantes: senso de humor, espalhafato, falta de vergonha, posicionamento firme em causas polêmicas, influência de tradições de respeito como Madonna, David Bowie, Andy Warhol, Grace Jones, cultura gay, dance music e os freaks da noite nova-iorquina.

Um caldo de referências e atitudes mais que bem-vindo na era do machismo rasteiro de Chris Brown, do pseudo bom-mocismo das estrelas vindas da Disney e na sexualidade photoshopada de anúncio de perfume de Rihanna e Beyoncé (para ficar no pop americano. Do brasileiro, onde se compete para ver quem consegue ser mais insosso, melhor nem comparar).

Clique nas fotos acima do texto para ver Lady Gaga em um show recente na Inglaterra

Só que a mágica de Lady Gaga já dava, no final de 2010, claros sinais de que estava perdendo o efeito. Culpa em boa parte dela, que havia passado os últimos anos saturando a mídia com seus factoides. Mas culpa também da mídia que, como dito no começo do texto, foi com muita sede em cima de uma popstar que havia decidido tentar algo de diferente. Chegando em 2011, notícias sobre Gaga simplesmente não representam mais aquela vitamina de audiência.

É nesse contexto incerto que chega Born This Way, seu segundo álbum propriamente dito (The Fame Monster, de 2009é um relançamento do primeiro). Nada mal. Na falta de factoides, para variar, temos um pouco de música. Com lançamento marcado para 23 de maio, suas faixas vazaram na web nesta terça à noite (17).

As primeiras audições, porém, confirmam algo que os primeiros singles vazados já apontavam: Gaga não só não está disposta a variar ou ousar em seu leque musical, como prefere apostar boa parte de suas fichas na mesma sonoridade electro-dance bombástica onde não há espaço para sutileza ou nuance. Se fosse um texto, estaria da primeira à última palavra em negrito. O som serrilhado de guitarras sintetizadas se ouve por toda parte.

Marry The Night, Born This Way, Americano, Hair, Judas, Schiße e The Edge Of Glory seguem essa cartilha, com Gaga soando como se cantasse do alto de uma torre, cabelos esvoaçando e um céu carregado de tempestade ao fundo. Sim, bem apocalíptico.

Lady Gaga - The Edge of Glory

 

Lady Gaga - Hair

 

Entre os números dançantes que não estão constantemente na quinta marcha, Gaga se sai bem melhor. Government Hooker é electro-pastiche com samples do hit robótico Da Da Da, do Trio. Bad Kids tem uma pegada meio disco-trance que, nas mãos de um Daft Punk ou The Twelves, poderia resultar num belo remix. 

Lady Gaga - Government Hooker

 

Bloody Mary é arrastada, o que combina com o clima pervertido e escuro que Gaga quer que associemos com seu mundo. É o mesmo clima de Heavy Metal Lover, que não está tão longe de coisas que o Goldfrapp já fez e é uma das melhores faixas do disco.

Lady Gaga - Heavy Metal Lover

 

Num disco feito inteiramente para pista de dança (bem, para algumas pistas de dança), You And Ifaz o papel da "lenta". É também o mais perto de uma canção "rock" que o disco chega. Mas a referência de rock não será do gosto de todo roqueiro, não: estamos falando de hair metal, tipo Def Leppard e Poison.

Entre as letras, a faixa-título de Born This Way, com sua mensagem de orgulho LGBT, continua trazendo as palavras mais inspiradas. No mais, muita coisa para chocar pais e mestres conservadores por aí, com destaque para Government Hoooker ("Posso ser o que você quiser/Contanto que eu seja sua prostituta", uma cutucada nos prazeres escusos dos governantes), Bad Kids ("sou uma degenerada, jovem rebelde e com orgulho") e o título de Schiße(literalmente, "merda" em alemão).

Os dotes e capacidade musical de Lady Gaga são facilmente comprováveis em dezenas de vídeos de shows no YouTube onde ela aparece tocando solos de piano e de voz, ou cantando gêneros diversos como jazz e rock. Ao mesmo tempo, seu carisma como performer e persona midiática, sua criatividade visual, sua atitude destemida e postura política, a tornaram uma das protagonistas da cultura pop mundial da última década.

Porque Gaga não consegue traduzir todos esses talentos em um álbum pelo menos mediano permanece um dos grandes mistérios do pop atual.