Indonésia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

 
Ir para: navegação, pesquisa
Republik Indonesia
Bandeira da Indonésia Brasão de armas da Indonésia
(em detalhe) (em detalhe)
Lema: Bhinneka Tunggal Ika
(Javanês antigo: Unidade na diversidade)
Língua oficial Bahasa Indonésia
Capital Jacarta
Presidente Susilo Bambang Yudhoyono
Área
- Total:
- % água:
15º
1.904.569 km²
4.85%
População


- Total (2003):
- Densidade:


234,893,453
119/km²

Independência


- Declarada:
- Reconhecida:

dos Países Baixos


17 de Agosto de 1945
27 de Dezembro de 1949

Moeda: Rupia
Fuso horário: UTC +7 até UTC +9
Hino nacional: Indonesia Raya
Domínio de topo: .ID
Código telefónico 62

A República da Indonésia é um grande país localizado entre o sudeste asiático e a Austrália que é composto pelo maior arquipélago do mundo, as Ilhas de Sonda, e ainda a metade ocidental da Nova Guiné. Tem fronteiras terrestres com a Malásia, em Bornéu, com Timor-Leste, e com a Papua-Nova Guiné; e marítimas com as Filipinas, Malásia, Singapura, Palau, Austrália e com o estado indiano de Andaman e Nicobar. A localização entre dois continentes, a Ásia e a Oceania, faz da Indonésia uma nação transcontinental. Sua capital é Jacarta.

É o quarto país mais populoso do mundo e o primeiro entre os países islâmicos.

História

Ver artigo principal: História da Indonésia

Entre os séculos VII e XIV, formaram-se nas ilhas de Sumatra e Java vários reinos hindus e budistas mas, com a chegada de comerciantes árabes de Gujarate (Índia), no século XII, o islão tornou-se a religião dominante na maior parte do arquipélago.

Quando os europeus ali chegaram em princípios do século XVI (em 1511, Francisco Serrão juntamente com António de Abreu chegam as Ilhas Molucas), e começaram a dominar os reinos que ali existiam, na sua vontade de monopolizar o comércio das especiarias. A história da colonização holandesa da Indonésia começa com a expedição de Cornelis de Houtman. No século XVII, os holandeses, através da Companhia Holandesa das Índias Orientais, estabeleceram na região a sua colónia das “Índias Orientais Holandesas” (sem, no entanto, conseguirem ocupar a colónia portuguesa de Timor).

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Holanda, que foi ocupada pela Alemanha, perdeu a sua colónia para os japoneses. Com o fim da guerra, Sukarno, que tinha cooperado com os japoneses, declarou a independência da Indonésia, mas os aliados apoiaram o exército holandês a tentar recuperar a sua colónia. A guerra pela independência, denominada Revolução Nacional Indonésia, durou 4 anos e, sob pressão internacional, a Holanda foi forçada a reconhecer o novo país.

Arrozais na Ilha de Bali.

Arrozais na Ilha de Bali.

A Indonésia – que havia incorporado a parte ocidental (antes holandesa) da ilha de Timor logo após a Segunda Guerra Mundial – é um país de enorme heterogeneidade étnica, histórica, cultural e linguística, com pelo menos 25 idiomas locais, 250 dialetos e quatro religiões principais, predominando o islamismo.

O golpe de Estado do general Suharto, apoiado pelos Estados Unidos e seus aliados, derrubou o governo do líder populista Sukarno em 1965, sob o pretexto de deter o avanço comunista. Foi um banho de sangue que vitimou centenas de milhares de indonésios. De caráter agressivo, militarista e essencialmente corrupto, a ditadura de Suharto promoveu a repressão e a opressão da população. Reforçou, também, a centralização política e o expansionismo. Assim, poderiam impedir a diversidade existente no país e reforçar as tensões autônomas opositoras à constituição de uma "Grande Indonésia". Com isso, houve conflitos autônomos nas Molucas, em Sumatra, na Nova Guiné, em Célebes e Bornéu e fronteiriços com a Malásia e Papua.

A Indonésia ambicionava anexar a parte oriental da ilha do Timor, embora afirmasse reconhecer o domínio português. Com o fim da guerra, Sukarno, que cooperou com os japoneses, declarou a independência da Indonésia, mas os EUA e seus aliados queriam que o exército holandês recuperassem a Indonésia.

Suharto foi reeleito 5 vezes e governou o país com a ajuda dos militares mas, com a crise económica asiática de 1997, o país voltou à rebelião e o presidente foi obrigado a renunciar e entregou o poder ao seu Vice-Presidente, B. J. Habibie. No entanto, nas eleições de 1999, Habibie perdeu-as para Megawati Sukarnoputri, filha de Sukarno, que não chegou a ser empossada, tendo sido substituída pelo seu partido político por Abdurrahman Wahid. A crise de Timor-Leste virou as cartas e Megawati voltou à presidência em 2001. Em 2004, nas primeiras eleições directas, foi eleito o actual presidente, Susilo Bambang Yudhoyono. E tambem é lá que residem as mulheres-girafas.

 

 Política

Ver artigo principal: Política da Indonésia

A Indonésia tem um sistema presidencial. O Presidente, que é chefe-de-estado e do governo, é agora eleito diretamente para mandatos de 5 anos, junto com o Vice-Presidente.

O principal corpo legislativo do país é o Majelis Permusyawaratan Rakyat (MPR) ou "Assembleia Consultiva Popular", que consiste do Dewan Perwakilan Rakyat (DPR) ou Conselho Representativo do Povo, eleito para mandatos de 5 anos, e do Dewan Perwakilan Daerah (DPD) ou Conselho dos Representantes Regionais. Depois das eleições de 2004, o MPR tornar-se-á um parlamento bicameral com a criação do DPD como nova segunda câmara.

 

 Subdivisões

Ver artigo principal: Subdivisões da Indonésia

Actualmente, a Indonésia está dividida em 33 províncias (entre as quais, 3 são territórios de regime especial, Aceh e Yogyakarta, e o território da cidade capital, Jakarta). As províncias subdividem-se em distritos que, Sumatra, Papua (Irian Jaya), Riau, Riau Kepulauan, South East Sulawesi, South Kalimantan, South Sulawesi, West Irian Jaya, West Java, West Kalimantan, West Nusa Tenggara, West Sulawesi e West Sumatra.

Vulcões na Ilha de Java.

Vulcões na Ilha de Java.

 

Geografia

Ver artigo principal: Geografia da Indonésia

A Indonésia é o maior arquipélago do mundo, com 18 108 ilhas. Principais ilhas: Java, Sumatra, Bornéu. Ver também: Ilha de Krakatoa. Nesse arquipélago, há uma formação de um grupo de cinco ilhas maiores, estas são: Sumatra, Kalemantan, Sulawesi e Irian Jaya e de trinta grupos menores que totalizam mais de 17.000 pequenas ilhas.

O país é banhado pelo Oceano Pacífico na sua parte oriental e pelo Oceano Índico no sul e oeste. A nordeste, confina com o Mar das Filipinas e Mar das Celebes, a noroeste, com o Mar de Andaman, a sul pelos mares de Arafura e de Timor, e engloba por completo os mares de Java, Savu, Banda, Seram e das Molucas.

A Indonésia tem fronteiras terrestres com a Malásia, em Bornéu, com Timor-Leste, e com a Papua-Nova Guiné e fronteiras marítimas com as Filipinas, Malásia, Singapura, Palau, Austrália e com dois estados indianos. Estar localizado entre a Ásia e a Oceania, faz da Indonésia uma nação transcontinental.

 Economia

Ver artigo principal: Economia da Indonésia

A economia indonésia assenta, essencialmente, nas actividades agrícola, mineira e industrial. O sector agrícola produz arroz, milho, mandioca, batata-doce, tabaco, chá e café. À semelhança da Índia, a agricultura registou problemas após os primeiros êxitos da Revolução Verde. Associada a este sector, está também a silvicultura, actividade que produz a borracha natural e madeiras exóticas. Por outro lado, a actividade mineira tem visto a sua importância aumentar de dia para dia, fomentada, principalmente, pelo aumento da exploração de petróleo e gás natural. No entanto, outros minérios são extraídos, como o níquel, a bauxite, o ouro e o cobre.

Quanto ao sector industrial, que desde os meados dos anos 80 caminha a passos largos para se tornar o principal sector indonésio, enquadra-se numa política de importação de matérias-primas para posterior transformação e exportação. Deste modo, destacam-se as indústrias ligadas aos produtos químicos, aos componentes electrónicos, ao cimento, aos pneus, ao papel e aos têxteis.

Em resumo, a economia deste país encontra-se em fase de desenvolvimento, beneficiando da sua posição privilegiada no seio de instituições internacionais como a ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático), a ESCAP (Comissão Económica e Social para a Ásia e o Pacífico) e a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo). Os principais parceiros comerciais da Indonésia são o Japão, os EUA, Malásia, Singapura, Austrália e a Alemanha.