Esplendor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 
Ir para: navegação, pesquisa
Esplendor
 
Informação geral
Formato Telenovela
Classificação etária Permitido para todas as idades DJCTQ (Brasil)
Duração 45 min. (aproximadamente)
Criador Ana Maria Moretzsohn
País de origem Brasil
Idioma original Português
Produção
Elenco original Letícia Spiller
Floriano Peixoto
Murilo Benício
Christine Fernandes
Caio Blat
Cássia Kiss
Osmar Prado
Max Fercondini
Ver Mais
Tema de abertura "Que Não Se Vê", Caetano Veloso
Emissora(s) de
televisão lusófona(s)
Mostrar lista
Transmissão original 30 de janeiro de 2000- 24 de junho de 2000
N.º de episódios 125 capítulos
Portal Televisão · Projeto Televisão

Esplendor foi uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo entre 30 de janeiro e 24 de junho de 2000, no horário das 18 horas. Foi escrita por Ana Maria Moretzsohn com a colaboração de Glória Barreto e de Daisy Chaves e dirigida por Luciano Sabino, Ary Coslov e Maurício Farias com direção geral e de núcleo de Wolf Maya. Teve 125 capítulos.

A trama trazia Letícia Spiller, Floriano Peixoto, Cássia Kiss, Christine Fernandes, Murilo Benício, Joana Fomm e Caio Blat nos papeis principais.

História

Sinopse

Rio de Janeiro, 1958. Flávia Cristina é uma moça determinada que sustenta o irmão mais novo Bruno, mas não percebe que ele é um mau-caráter, um marginal que a explora. Ao tentar defendê-lo de um agiota, Flávia pensa ter matado o homem, e, receosa de ser descoberta pela polícia, foge para o Sul do País, sem perceber que sua mala carrega dólares roubados pelo irmão.

Na viagem, Flávia Cristina conhece Flávia Regina, uma moça fisicamente parecida com ela que está indo trabalhar como governanta na Vivenda do Sombrio, numa cidadezinha chamada Esplendor. Flávia resolve acompanhá-la, mas um acidente com o ônibus, põe Regina em coma no hospital, enquanto Flávia é confundida com a amiga e levada para casa de seus patrões.

Na Vivenda do Sombrio, o pequeno Gui, vê o espírito de sua mãe. Gui é um menino arredio e triste que não fala desde a morte dela em um acidente aéreo. Seu autoritário pai, Frederico Berger, é um rico industrial que nunca se recuperou da perda da mulher Elisa e tornou-se um homem taciturno que contagia com sua tristeza todos na família.

Ao chegar na mansão dos Berger, Flávia assume a identidade da amiga para fugir de um crime que pensa ter cometido, e espera resolver toda a situação quando Regina sair do coma. Mas, ela não esperava que seu irmão Bruno fosse procurá-la, em busca dos dólares, ameaçando-a levar a polícia por falsa identidade. Flávia também sofre com a perseguição de Cristovão, um mau caráter, protegido da família Berger que pretende conquistá-la.

A amarga e agressiva Olga, que vive presa numa cadeira de rodas desde o nascimento da filha Marisa. Casada com o médico Hugo Norman, ela sofre com ciúmes de Adelaide, irmã de Frederico Berger, que é uma mulher sofrida, mas o oposto da personalidade de Olga, e cuida com carinho de todos na Vivenda do Sombrio, apesar de sua doença crônica.

Olga, com ódio da família Berger, se une a Cristovão, namorado de Marisa para punir Frederico. No passado, seu filho Pedro morrera num acidente e ela acredita ser Frederico o responsável. Cristovão também guarda um desejo de vingança, uma vez que sua família morrera na fábrica de propriedade da família Berger.

Enquanto Flávia Cristina conquista todos na Vivenda do Sombrio (incluindo o coração do amargo Frederico Berger), Flávia Regina acorda do coma e descobre que sua amiga se apossara da sua identidade. Para desmascará-la, se une a Cristovão, cada vez mais apaixonado por ela.

Produção

Para compor visualmente seu primeiro papel como protagonista, Floriano Peixoto atuou com aplique nos cabelos e uma prótese de cicatriz no rosto, e trabalhou postura, projeção vocal e interiorização. Thaís Fersoza e Zezé Motta usaram mega-hair e Cássia Kiss, um aplique de 60 cm no cabelo. Alguns atores, como Max Fercondini, Juliana Knust, Letícia Spiller e Thaís Fersoza tiveram aulas de equitação e piano.

A Vivenda do Sombrio é na verdade a mansão em estilo vitoriano onde funciona o Centro Cultural Petrópolis, administrado pelo artista plástico Luiz Áquila. A cenografia envelheceu as paredes da casa para enfatizar o aspecto de abandono. Um paisagista, contratado especialmente para a novela, cobriu as paredes da mansão com heras falsas e disfarçou as esculturas do local com plantas. As imagens do Canyon de Fortaleza foram inseridas por computadores na frente da casa. Para reforçar o aspecto fantasmagórico, a névoa característica da paisagem do Sul do país foi reproduzida artificialmente e objetos no interior da casa foram cobertos com lençóis brancos. Cadeiras de espaldar do século XIX e um piano de meia cauda dão o toque conservador dos Berger.[1]

A novela marcou a estréia de Juliana Knust, Max Fercondini e Thiago de Los Reyes na TV Globo.

Exibição

Audiência

Recepção

Elenco

em ordem da abertura da novela.

Ator↓ Personagem↓
Letícia Spiller Flávia Cristina
Murilo Benício Cristóvão
Floriano Peixoto Frederico Berger
Cássia Kiss Adelaide
Joana Fomm Olga
Gracindo Júnior Dr. Hugo Norman
Osmar Prado Rodolfo
Caio Blat Bruno
Cláudia Alencar Laura
Caco Ciocler Lázaro
Adriana Garambone Marisa Norman
Thaís Fersoza Érica
Christine Fernandes Flávia Regina
Zezé Motta Irene
Guga Coelho Caçula
Anselmo Vasconcelos Delegado Rajão
Marcelo Saback Mariano
Ângela Figueiredo Elisa
Henri Castelli Dino
Juliana Knust Helena
Karine Carvalho Suzy
Edward Boggis Otávio
Luiz Cláudio Júnior Pablo
Elísio Lage Cássio
Guilherme Piva Neves
Chico Tenreiro Ivo
Ângela Rebelo Gertrude
Daniele Guerreiro Nina
Apresentando
Ator↓ Personagem↓
Thiago de Los Reyes Gui
Max Fercondini Freddy
Bijú Martins Sandro
Ator convidado
Ator↓ Personagem↓
Ítalo Rossi Vicente
Atriz convidada
Atriz↓ Personagem↓
Tônia Carrero Mimi Melody

Elenco de apoio

em ordem alfabética

Ator↓ Personagem↓
Carlos Gregório Dr. Carlos
Flávio Galvão Arnaldo
Henrique César delegado
Lucinha Lins Lígia Mallet
Luiz Guilherme Augusto
Marcelo Serrado piloto
Rosaly Papadopol Mariota
Sérgio Loroza Santos

Músicas

Trilha sonora

Capa: Letícia Spiller, Murilo Benício e Floriano Peixoto representados em desenhos como um cartaz de cinema