Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2014/02/1409013-predio-modernista-construido-em-1933-sera-demolido-na-rua-augusta.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo.
Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2014/02/1409013-predio-modernista-construido-em-1933-sera-demolido-na-rua-augusta.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo.

Edifício modernista de 1933 será demolido na Rua Augusta

FONTE:http://catracalivre.com.br/sp/muito-mais-sao-paulo/indicacao/edificio-modernista-de-1933-sera-demolido-na-rua-augusta/

Prédio projetado por Rino Levi cederá lugar a empreendimento imobiliário

Reprodução/Saopauloantiga.com.br

Edifício era considerado um exemplo de habitação semi-intensiva, em 1933, data de sua construção

Projetado em 1933 pelo arquiteto modernista Rino Levi, o Edifício Nicolau Schiesser andava esquecido atrás de pequenas lojas, no número 901 da Rua Augusta. Agora, o prédio vai ceder lugar a um empreendimento imobiliário, segundo a Revista sãopaulo.

O edifício era considerado por seu projetista um exemplo de habitação semi-intensiva, estratégica para o crescimento da população de São Paulo na primeira metade do século XX. A transformação da Augusta em centro boêmio e comercial, no entanto, fizeram com que a arquitetura perdesse em importância para as oportunidades de negócios.

Em 2010, sete obras de Rino Levi foram tombadas pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico do Estado de São Paulo. De lá para cá, a política de preservação evoluiu, mas não o suficiente para salvar o Nicolau Schiesser.

“Tal avanço não consegue reduzir a voracidade do mercado imobiliário atual, que procura oportunidades para empreendimentos de modo indiscriminado”, afirma o arquiteto Renato Luiz Sobral Anelli.