A Escrava Isaura (2004)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A Escrava Isaura
 
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50 min. aproximadamente
Criador adaptado da obra de Bernardo Guimarães por Tiago Santiago e Anamaria Nunes
País de origem Brasil
Idioma original Português
Produção
Elenco original Bianca Rinaldi
Leopoldo Pacheco
Patrícia França
Théo Becker e grande elenco
Tema de abertura "Luz do sol que clareia a terra"
(Henrique Daniel)
Emissora(s) de
televisão lusófona(s)
Mostrar lista
Transmissão original 18 de outubro de 2004- 29 de abril de 2005
N.º de episódios 167
Portal Televisão · Projeto Televisão

A Escrava Isaura é uma telenovela brasileira produzida Originalmente produzida pela Rede Globo e passada nos anos de 1976/1977/1979/1982/1990, a novela original foi exibida em mais de 100 países como por exemplo: Rússia, Polônia, Bósnia e até na China. Posteriormente feita uma adaptação em 2004 pela Rede Record e exibida de 18 de outubro de 2004 a 29 de abril de 2005, no horário das 19h30 tendo 167 capítulos. Foi adaptada do livro A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães por Tiago Santiago e Anamaria Nunes, com a colaboração de Altenir Silva, foi dirigida por Herval Rossano, Fábio Junqueira, Emílio Di Biasi e Flávio Colatrello Jr., teve direção geral de Herval Rossano, e direção de núcleo de Herval Rossano.

Teve Bianca Rinaldi no papel-título, com Leopoldo Pacheco, Patrícia França, Renata Dominguez e Théo Becker nos papeis principais.

Enredo

Isaura nasceu em 1835, na fazenda do Comendador Almeida, em Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro. Ela é filha da bela e virgem negra Juliana, escrava do comendador, e do feitor da fazenda, Miguel. Juliana morre pouco depois do parto, pois sempre se negou a ir para cama com o comendador, pois amava Miguel, e por vingança do Comendador, acaba morrendo açoitada no tronco. Isaura, sua filha, é criada e educada por Gertrudes, mulher do Comendador, que sempre quis ter uma filha. Apesar da excelente educação e de ter a pele muito clara, Isaura é escrava do comendador, por ter nascido filha de sua escrava.

Em 1854, Isaura tem 19 anos e é uma bela e casta donzela, que toca piano, canta, pinta, borda e fala alguns idiomas. Tudo o que ela faz é divinamente belo, o que deperta a inveja doentia de Rosa, uma escrava má e falsa, que já se deitou com todos os homens da fazenda.

Tudo se complica em sua vida quando volta para a fazenda o perverso senhor Leôncio, filho do comendador, que desenvolve uma paixão doentia pela linda e pura escrava. Ele terá Rosa como sua amante e aliada, e ela que sofre muito nas mãos de Leôncio e mesmo assim, obedece Leôncio e pratica crueldades com Isaura. Mais ela é esperta e sempre prometeu se vingar de Leôncio pelas maldades que ele faz com ela.

Leôncio é obrigado a se casar por interesse com Malvina, filha do rico coronel Sebastião Cunha, mas mesmo assim tenta seduzir Isaura, querendo que ela seja sua amante. Todas suas tentativas e propostas são sempre rechaçadas pela virtuosa Isaura. Malvina passa a sofrer com agressões de Leôncio e sua brutalidade na cama e no começo desconfia que Isaura é uma qualquer que aceita Leôncio, mais com o tempo percebe o quanto boa e correta é a doce Isaura.

Gertrudes tem muita vontade de dar a liberdade à sua querida Isaura, mas morre antes de conseguir realizar este objetivo. Pouco depois de sua morte, o Comendador Almeida também morre. Isaura, antes do padrinho morrer, o perdoou pelas maldades que ele fazia com ela na infância e pelas maldades que fez com sua mãe, e dele, Isaura cuidou muito, e Leôncio, o próprio filho, tinha nojo do pai, que estava com enfisema.

Leôncio queima o testamento do pai que concedia a alforria a Isaura e torna-se assim o dono da escrava, para desespero total dela, que até é proibida por ele de visitar seu pai. A vida de Isaura se transforma em um inferno, ela passa a se vestir feito escrava e fazer todos os trabalhos escravos, além de sempre sofrer assédio sexual de Leôncio tentando lhe tirar a virgindade além de apanhar muito dele. Ela passa a dormir na senzala e sofrer ainda mais com as crueldades da perversa Rosa. Mais lá ela tem amigos também e é bem quista pelos negros.

Leôncio se torna cada vez mais insistente, e sua paixão doentia e secreta pela escrava é descoberta, primeiro por Henrique, cunhado de Leôncio, que também é apaixonado por Isaura, e logo depois por Malvina, que não demora muito a perceber a obsessão de seu marido pela bela escrava. Malvina também descobre que é meia-irmã da escrava Rosa, e elas se odeiam demais por ciúmes e inveja, e ela ficará chocada e com muito mais raiva dela por isso. Ela sente ciúmes de Leôncio com ela.

Tomásia também sofreu muito nas mãos de Leôncio, quando pobre, ela foi sua amante, iludida com promessas de casamento, ele a engravidou e a abandonou, e a fez perder a criança e ela ficou estéril, ela enriqueceu, ao casar por amor com o Conde de Campos, mais Leôncio o matou e isso despertou sua sede de vingança e junto com Miguel, Henrique e outros que sofreram nas mãos de Leôncio, fará justiça. Ela e Miguel começam a se interessar um pelo outro.

Em meio a tanto sofrimento, Isaura descobre o amor. Foge com o pai e se refugia numa chácara nos arredores de São Paulo, onde adota o nome de Elvira, vivendo longe de tudo e de todos. Ela conhece o jovem abolicionista Álvaro, mas tenta de toda forma evitá-lo, porque sabe que é arriscado se expor muito. Mesmo assim, eles vivem uma linda e romântica história de amor, escondendo dele a verdade, o que a machuca muito. Isaura também é muito assediada por todos os homens que a conhece, e isso a constrange.

Apesar disso, Isaura é descoberta e mandada de volta à fazenda de Leôncio, que não vai deixar de praticar suas maldades contra a pobre escrava e ela passará a sofrer o dobro nas mãos dele e de Rosa, mais Malvina a protejerá. E ainda aparecerá Branca, uma moça muito rica que foi prometida a Álvaro desde criança e agora não casará mais com ele pois ele quer se casar com Isaura. Ela se juntará a Leôncio e praticará as mais doentias maldades contra a inocente Isaura. Seus dotes artísticos e sua grande beleza depertam a inveja doentia de Branca.

No fim, Leôncio é assassinado com uma facada no coração, e Isaura, sequestrada por ele e no mesmo lugar de sua morte, é acusada do crime e mandada para a forca (quem cometesse crime morreria enforcado), só que depois de muito penar na cadeia e pensar que morreria e perderia seu grande amor, descobrem o assassino: é a escrava Rosa, a fogosa amante de Leôncio, que ultimamente estava sendo muito mais maltratada por ele, e jurou vingança e a cumpriu. Eles a prendem, só que ela se mata, de tanto desgosto e inveja que sente de Isaura e por nunca homem nenhum tê-la amado.

Isaura e Álvaro se casam e vivem por 60 anos juntos e felizes. Malvina se casa com o melhor amigo de Álvaro e Miguel com Tomásia, ex-amante de Leôncio. Branca, após se entregar loucamente a Leôncio por várias noites e engravidar, ela se entrega a Álvaro que está bêbado, e ela já sabe que está grávida de Leôncio e fez isso para separar os dois. Seu plano de falar que o filho é de Álvaro não dá certo e ela tem o filho e enlouquece, indo parar no hospício, obssessiva por Álvaro, e sua mãe fica responsável de criar o filho de Branca com Leôncio.

Elenco

Ator↓ Personagem↓
Bianca Rinaldi Isaura dos Anjos (Elvira)
Théo Becker Álvaro Mendonça
Leopoldo Pacheco Leôncio Almeida
Patrícia França Rosa Cunha Almeida
Rubens de Falco Comendador Almeida
Norma Blum Gertrudes
Paulo Figueiredo Coronel Sebastião Cunha
Maria Ribeiro Malvina Cunha Almeida
Mayara Magri Tomásia Albuquerque
Renata Dominguez Branca Villela
Jackson Antunes Miguel dos Anjos
Ewerton de Castro Belchior
Chica Lopes Joaquina
Ivan de Almeida João
Fernanda Nobre Helena Cunha
André Fusko Gabriel Albuquerque
Gabriel Gracindo Henrique Cunha
Déo Garcez André
Miriam Mehler Gioconda Albuquerque
Jonas Mello Seu Chico (Francisco)
Sylvia Bandeira Perpétua Mendonça
Maria Cláudia Serafina
Cláudio Curi Martinho
Lugui Palhares dr. Diogo
Caio Junqueira Geraldo Villela
Fábio Junqueira dr. Paulo Pereira
Lígia Fagundes Flor-de-Lís
Daniel Alvim Rosauro
Daniela Duarte Violeta
Thaís Lima Margarida
Rômulo Delduque Raimundo
Aldine Müller Estela Villela
Matheus Palota Pedrinho
Bárbara Garcia Nipalesa (Moleca)
Rodrigo Zanardi sargento Aloísio Guimarães
Christovam Neto Bernardo
Ailene Gouveia Gisela
Crianças
Ator↓ Personagem↓
Rayana Vidal Isaura dos Anjos (criança)
Lucas Pappi Leôncio Almeida (criança)
Participação especial
Ator↓ Personagem↓
Odilon Wagner comandante Santana

Audiência

A estréia de A Escrava Isaura obteve obteve índices de 12 pontos com picos de 14 no Ibope. Já o segundo capítulo obteve 13 de média e picos de 16.[1].

No capítulo dia 22 de novembro de 2004, marcou 10 pontos na média, ficando pela primeira vez na terceira colocação.[2]

No último capítulo, exibido no dia 29 de abril de 2005, marcou média de 19 com picos de 23 pontos segundo o Ibope.[3]

A novela fechou com média de 12,5 no Ibope.[3]

Trilha sonora

  1. "Sinônimos" - Chitãozinho & Xororó e Zé Ramalho
  2. "Luz do Sol que clareia a Terra" - Henrique Daniel
  3. "Impossível acreditar que perdi você" - Simony
  4. "Viver longe de você não dá" - Guilherme e Santiago
  5. "Jardim da fantasia" - Jackson Antunes
  6. "O seu amor" - Mara Maravilha
  7. "Sol de primavera" - Beto Guedes
  8. "Nem às paredes confesso" - Fafá de Belém
  9. "Último romântico" - J.Neto
  10. "A paz" - Max Viana
  11. "Amar é isso" - Leonardo Sullivan
  12. "Retirantes" - Rogério Machado

Curiosidades

Comparativo entre as adaptações da Globo e da Record

* Escrava Isaura sofreu imposições da Censura Federal que não queria o termo "escravo" na novela, a solução foi usar a palavra "peça".

* A Itália foi o primeiro país da Europa a exibir a novela.

* Fez a Rússia incorporar em seu vocabulário a palavra "fazenda".

* Foi transformada em álbum de figurinhas e mudou a hora do racionamento de energia em Cuba.

* Na Hungria um menino cego enfrentou horas de fila só para conhecer a "Isaura/Lucélia".

* Havia um cessar-fogo na guerrilha da Bósnia quando a novela entrava no ar.

* Quando Lucélia e Rubens visitaram a Polônia, colocaram mais pessoas nas ruas que o Papa e a população fez "vaquinha" para libertar a escrava.